Pular para o Conteúdo

Carteira de investimentos: tudo o que você precisa saber para montar

Capítulo 1

O que é uma carteira de investimentos?

Descubra o mundo fascinante das carteiras de investimentos e mergulhe em um universo repleto de possibilidades financeiras. Seja você um iniciante curioso ou um investidor experiente em busca de novas estratégias, este guia completo irá fornecer todas as informações essenciais para montar uma carteira de investimentos de sucesso.

Aprenda a diversificar seus ativos, gerenciar riscos e maximizar seus ganhos. Prepare-se para desvendar os segredos do mercado financeiro e transformar suas metas em realidade. Esteja pronto para explorar um caminho que pode abrir portas para a realização dos seus sonhos financeiros.

O que é uma carteira de investimentos diversificada?

Mas, afinal, o que é um portfólio de investimentos?

Uma carteira de investimentos é um conjunto de produtos financeiros ou ativos que uma pessoa ou instituição detém como parte de sua estratégia de enriquecimento ou geração de renda passiva.

Ela é projetada para diversificar riscos e otimizar retornos, equilibrando diferentes classes de ativos. Uma carteira de investimentos pode ser composta por uma variedade de produtos, como ações, títulos de Renda Fixa, Fundos, FIIs, ETFs (Exchange-Traded Funds), imóveis, commodities, moedas estrangeiras e até mesmo criptoativos.

Cada produto tem características distintas, oferecendo diferentes níveis de risco e potencial de retorno. A diversificação da carteira permite mitigar o impacto de flutuações no mercado e aproveitar oportunidades de investimento.

A composição ideal da carteira depende do perfil do investidor, seus objetivos financeiros e sua tolerância ao risco.

Por que montar uma carteira de investimentos?

Montar uma carteira de investimentos boa, diversificada e rentável pode trazer uma série de benefícios para o investidor. Aqui estão alguns motivos pelos quais você deve considerar ter uma agora mesmo:

  • Proteção contra riscos: ajuda a proteger seu patrimônio contra os riscos específicos de cada ativo. Se um investimento apresentar desempenho abaixo do esperado, outros investimentos podem compensar essas perdas.
  • Otimização de retornos: possível aproveitar diferentes oportunidades de investimento e buscar um equilíbrio entre segurança e rentabilidade. Isso permite maximizar o potencial de retorno dos investimentos.
  • Redução da volatilidade: ao distribuir seus investimentos em diferentes classes de ativos, como ações, títulos e imóveis, você reduz a volatilidade da carteira de modo geral. Dessa forma, a carteira fica menos suscetível a flutuações bruscas em um único mercado.
  • Aproveitar diferentes momentos do mercado: você pode aproveitar diferentes momentos do mercado. Enquanto alguns investimentos podem estar em alta, outros podem estar em baixa, permitindo que você faça ajustes estratégicos.
  • Maior flexibilidade: oferece maior flexibilidade para adaptar-se a mudanças nas condições econômicas e nos objetivos pessoais. É possível realocar recursos e investir em novas oportunidades sem depender exclusivamente do desempenho de um único ativo.

 

Além disso, entre os principais motivos para considerar, estão a reserva para a aposentadoria, realização de sonhos (casas, viagens, estudos etc), herança para os filhos, acumulação de patrimônio para geração de renda passiva, entre outros. 

Lembre-se de que a construção de uma carteira de investimentos requer conhecimento, análise e acompanhamento constante. Consultar um Assessor é sempre uma boa ideia para obter orientações personalizadas com base em seu perfil e objetivos.

Carteiras e relatórios de investimentos recomendados
Capítulo 2

Como montar uma carteira de investimentos?

Ao montar uma carteira de investimentos, é essencial seguir princípios sólidos que possam orientar suas decisões e maximizar suas chances de sucesso. Entender esses princípios fundamentais é o primeiro passo para construir uma carteira sólida e bem-sucedida.

Neste capítulo, exploraremos os pilares essenciais para montar uma boa carteira de investimentos. Desde a diversificação inteligente até a gestão de riscos, passando pela definição de metas claras e pelo acompanhamento constante, você descobrirá os elementos-chave para tomar decisões informadas e alcançar seus objetivos financeiros

Primeiro, antes de sair comprando qualquer ativo sem estratégia, é preciso conhecer os conceitos de macro e micro-alocações dentro do seu portfólio.

Macro-alocações

A macroalocação, também conhecida como alocação estratégica, refere-se à divisão do seu capital entre diferentes classes de ativos, como ações, Fundos, títulos, imóveis e outros. Ou seja, define a estrutura da carteira e o peso de cada exposição.

É uma decisão de longo prazo que define a porcentagem de recursos alocados em cada classe de ativo, com base no perfil de risco, objetivos financeiros e horizonte de investimento. 

Por exemplo, uma macroalocação conservadora pode ter uma maior proporção de títulos de Renda Fixa, enquanto uma macroalocação agressiva pode ter uma maior parcela em ações e demais ativos de Bolsa.

Micro-alocações

As microalocações, também chamadas de alocação tática, referem-se à seleção específica de investimentos dentro de cada classe de ativo. Portanto, serve para fazer escolhas específicas dentro de cada classe de ativo para aproveitar oportunidades e gerenciar riscos.

Isso envolve escolher quais ações, títulos ou outros instrumentos financeiros serão adquiridos com base em fatores como Análise Fundamentalista, Análise Técnica, perspectivas econômicas e oportunidades de mercado

As microalocações são ajustes de curto prazo na carteira que visam aproveitar as condições do mercado e otimizar o desempenho dentro de cada classe de ativo.

Simulador de carteira de investimentos

Assim sendo, é essencial equilibrar essas duas abordagens para construir uma carteira diversificada e adaptável às condições do mercado. Para isso, você pode usar calculadoras e simuladores de investimentos para começar a desenhar a sua carteira. 

Essas ferramentas permitem simular cenários de investimento em um ambiente virtual, sem arriscar capital real. Por meio dos simuladores, é possível testar diferentes estratégias, avaliar os impactos das alocações e compreender os possíveis resultados.

Isso proporciona uma visão mais clara dos riscos e oportunidades associados a cada decisão.

Ao utilizar simuladores, os investidores ganham experiência prática, adquirem conhecimento sobre o mercado e aprimoram suas habilidades de tomada de decisão, possibilitando a construção de uma carteira mais sólida e eficiente. Faça um cálculo agora mesmo e saiba por onde começar:

Calculadora gratuita de investimentos

6 princípios para montar sua carteira de investimentos

Montar e administrar o seu portfólio de ativos deve sempre considerar uma estratégia bem definida e orientada para os seus interesses, o que geralmente vai passar pelos seguintes itens antes de comprar e vender qualquer produto financeiro. 

Perfil de investidor

Avaliação que determina a tolerância ao risco, objetivos e preferências de um indivíduo, auxiliando na escolha de investimentos adequados.

Tolerância ao risco

Disposição de um investidor em lidar com a volatilidade e possíveis perdas financeiras ao buscar retornos mais altos, de acordo com seu perfil e objetivos.

Objetivos ao investir

Metas financeiras estabelecidas para orientar as escolhas de investimento, como aposentadoria, compra de imóveis, viver de renda ou educação dos filhos.

Valor investido

Tamanho do patrimônio inicial que será administrado e diversificado em diferentes classes e produtos financeiros, seguindo os objetivos e riscos.

Prazo do investimento

Período definido pelo investidor para atingir seus objetivos financeiros, influenciando a escolha dos tipos de investimentos e riscos.

Aportes regulares

Aplicações regulares feitas pelo investidor em sua carteira, geralmente em um intervalo de tempo fixo, visando aumentar gradualmente o patrimônio.

Como montar uma carteira de Renda Fixa?

Montar uma carteira de Renda Fixa pode ser uma estratégia sólida para investidores em busca de segurança e retorno estável. Siga este passo a passo simples:

  1. Defina seus objetivos financeiros e prazo de investimento.
  2. Avalie sua tolerância ao risco e determine o percentual da carteira alocado para Renda Fixa.
  3. Escolha os tipos de investimentos, como títulos públicos, CDBs, debêntures, entre outros.
  4. Pesquise as alternativas disponíveis, analise a liquidez, taxas, impostos, prazos (duration) e garantias oferecidas.
  5. Diversifique sua carteira, distribuindo o capital entre diferentes emissores e prazos de vencimento.
  6. Acompanhe regularmente o desempenho e faça ajustes necessários para manter a rentabilidade desejada.
  7. Reinvista os rendimentos e faça aportes regulares para aumentar o potencial de retorno ao longo do tempo.
  8. Esteja atento às condições econômicas e reavalie sua carteira periodicamente para aproveitar oportunidades.
Renda Fixa corporativa e crédito privado (debêntures)

Como montar uma carteira de ações?

Uma carteira de ações pode ser uma estratégia interessante para investidores em busca de crescimento e participação no mercado de capitais. Siga este passo a passo para começar:

  1. Defina seus objetivos financeiros e prazo de investimento.
  2. Avalie sua tolerância ao risco e determine o percentual da carteira alocado para ações.
  3. Pesquise e estude empresas e setores nos quais deseja investir.
  4. Abra uma conta em uma corretora de valores.
  5. Escolha as ações que se alinham aos seus objetivos e faça a compra por meio da plataforma da corretora.
  6. Diversifique sua carteira, distribuindo o capital entre diferentes empresas e setores.
  7. Acompanhe regularmente o desempenho das ações e esteja atento a eventos que possam afetar seus investimentos.
  8. Reavalie sua carteira periodicamente e faça ajustes conforme necessário para otimizar os resultados.

Como montar uma carteira de Fundos de Investimentos?

Por fim, montar uma carteira de Fundos de Investimentos pode ser uma forma conveniente e diversificada de investir em diferentes ativos. Siga este passo a passo para começar:

  1. Defina seus objetivos financeiros e prazo de investimento.
  2. Avalie sua tolerância ao risco e determine o percentual da carteira alocado para Fundos.
  3. Pesquise e analise diferentes tipos de fundos, como Fundos de ações, Renda Fixa, Multimercado, Fundos Imobiliários, ETFs, entre outros.
  4. Escolha Fundos alinhados aos seus objetivos, verificando histórico de desempenho, gestão e taxas.
  5. Abra uma conta em na Toro para investir em Fundos e ainda receber Cashback.
  6. Invista no Fundo escolhido por meio da plataforma disponibilizada pela corretora.
  7. Monitore periodicamente o desempenho e faça ajustes apenas se necessário.
  8. Reavalie sua carteira regularmente e faça ajustes para manter a diversificação e alinhar aos seus objetivos.
tipos de fundos de investimentos

Exemplos de carteiras de investimentos

Lembra quando falamos das macro-alocações, então, de acordo com o seu perfil de investidor, apresentaremos aqui algumas sugestões que podem servir de orientação para definir o desenho geral e a diversificação do seu portfólio. 

Começando pelo perfil conservador, isto é, aquele com baixa tolerância ao risco, preferindo segurança e retornos estáveis. Ele prioriza investimentos de menor volatilidade em busca de preservação de capital e estabilidade financeira. Uma possível alocação seria:

Perfil conservador
Investimento Alocação
Renda Fixa Pós-fixada 80%
Renda Fixa IPCA 10%
Renda Fixa Prefixada 10%

Já o investidor moderado é aquele que possui uma tolerância moderada ao risco, não se arriscando completamente em investimentos de alta volatilidade. Sua carteira de investimentos busca uma diversificação entre produtos de Renda Fixa e Variável, buscando um equilíbrio entre segurança e potencial de retorno. Por exemplo:

Perfil moderado
Investimento Alocação
Renda Fixa Pós-fixada 25%
Renda Fixa IPCA 15%
Renda Fixa Prefixada 10%
Ações 10%
Fundos Multimercados 25%
Fundos Imobiliários (FIIs) 5%
Internacional (BDRs e ETFs) 10%
 

Por fim, o perfil arrojado possuem uma maior tolerância à volatilidade e riscos do mercado. Eles estão dispostos a se expor a uma variedade maior de tipos de investimentos, especialmente na categoria de Renda Variável. Eis uma exemplificação:

Perfil arrojado
Investimento Alocação
Renda Fixa Pós-fixada 20%
Renda Fixa IPCA 10%
Renda Fixa Prefixada 10%
Ações 15%
Fundos Multimercados 26%
Fundos Imobiliários (FIIs) 7%
Internacional (BDRs e ETFs) 10%

Importante: isto é apenas um exemplo de alocação inicial com base na tolerância de risco deste perfil e não uma recomendação de compra. A diversificação ideal pode mudar de pessoa para pessoa, bem como seguindo seus objetivos e prazos dos investimentos.

Quais ativos financeiros devo comprar?

Ao montar uma carteira de investimentos, você pode considerar alguns produtos específicos a fim de diversificar seu portfólio, ampliando os ganhos e reduzindo os riscos, são eles:

Ações

Parcelas  do capital social de uma empresa, que representam a propriedade e conferem direitos aos acionistas, como dividendos.

FIIs

Fundos de Investimento Imobiliário, que permitem investir em imóveis de forma coletiva, recebendo renda dos aluguéis.

BDRs

Brazilian Depositary Receipts, são títulos que representam recibos de ações de empresas estrangeiras e permitem investir nelas no Brasil.

ETFs

Exchange-Traded Funds são Fundos negociados em bolsa, que acompanham índices de mercado, permitindo diversificação em uma única aplicação.

Fundos de Renda Fixa

Fundos que investem em títulos de Renda Fixa, como CDBs e títulos públicos, buscando retornos estáveis.

Fundos de Ações

Fundos que investem em ações de empresas, buscando retornos através do crescimento do mercado de ações.

Fundos Multimercados

Fundos que investem em diferentes classes de ativos, como ações, títulos e moedas, visando diversificação e flexibilidade.

Fundos Cambiais

Fundos que investem em moedas estrangeiras, como dólar, permitindo proteção e oportunidades de ganhos cambiais.

Títulos do Tesouro Direto

São títulos de dívida emitidos pelo governo federal, permitindo ganhos com a Selic e com a inflação.

CDBs

Certificados de Depósito Bancário, são títulos emitidos por bancos para captar recursos, oferecendo rendimento ao investidor.

LCI e LCA

Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio, são títulos de renda fixa lastreados em empréstimos do setor imobiliário e agrícola.

CRI e CRA

Certificados de Recebíveis Imobiliários e Certificados de Recebíveis do Agronegócio, são títulos lastreados em créditos desses setores.

Debêntures

São títulos de dívida emitidos por empresas para captar recursos, oferecendo rendimentos ao investidor.

Criptoativos

São ativos digitais, como Bitcoin e Ethereum, que utilizam tecnologia blockchain e podem ser comprados e vendidos em exchanges.

Importante: os ativos citados acima não são recomendações de compra nem necessariamente expressam a opinião dos Analistas da Toro. Lembre-se de fazer cálculos e simulações antes de investir:

Capítulo 3

Como administrar sua carteira de investimentos?

Administrar de perto a carteira de investimentos é crucial para monitorar o desempenho dos ativos, identificar oportunidades e gerenciar riscos, ou seja, para otimizar o desempenho e alcançar os objetivos financeiros.

Acompanhar regularmente permite ajustar a alocação conforme as condições de mercado, manter a diversificação adequada e tomar decisões informadas.

Além disso, estar atento às mudanças econômicas, políticas e setoriais possibilita realizar ajustes estratégicos e maximizar os resultados.

O acompanhamento próximo também ajuda a evitar surpresas desagradáveis, permitindo uma resposta rápida a eventos imprevistos. Para isso, considere os seguintes itens:

1. Pondere risco x retorno

Avalie cuidadosamente a relação entre o risco assumido e o potencial retorno de cada investimento, buscando um equilíbrio que se alinhe aos seus objetivos e tolerância ao risco.

2. Acompanhe a rentabilidade

Mantenha-se atualizado sobre o desempenho dos seus investimentos, monitorando regularmente os retornos obtidos e comparando-os com as metas estabelecidas.

3. Faça o rebalanceamento das posições

Realinhe periodicamente a alocação dos ativos, vendendo o que está acima do peso e comprando o que está abaixo, buscando manter o equilíbrio desejado, aquilo que falamos nas macro e micro-alocações.

4. Considere os custos de taxas e impostos

Avalie os custos envolvidos, como taxas de administração, custódia e impostos, para garantir que não comprometam excessivamente sua rentabilidade.

5. Não tome decisões emocionais

Mantenha-se atualizado sobre notícias econômicas, eventos políticos e tendências do mercado, para tomar decisões mais fundamentadas e aproveitar oportunidades.

6. Fique informado sobre o mercado financeiro

Acompanhe as principais notícias do mercado financeiro para antecipar os próximos movimentos e fazer os ajustes necessários na sua carteira no momento correto. Dessa maneira, você evita perder oportunidade e incorrer em custos ou perdas financeiras desnecessárias.

7. Conte com um Assessor de Investimentos

Considere contar com um Assessor especializado para orientá-lo na gestão da sua carteira, oferecendo conhecimento e expertise para tomar decisões mais assertivas e adequadas ao seu perfil e objetivos.
Nova call to action
Capítulo 4

Carteiras de investimentos recomendadas: quais são as melhores?

Quando se trata de investimentos, muitos investidores buscam orientações e recomendações confiáveis para otimizar seus ganhos e minimizar riscos. É nesse contexto que as carteiras de investimentos recomendadas pelos Analistas da Toro se destacam.

Nossos especialistas dedicam-se a pesquisas detalhadas e análises criteriosas para oferecer uma seleção de carteiras diversificadas e alinhadas com diferentes perfis de investidores.

Oferecemos uma variedade de carteiras recomendadas, cada uma com sua estratégia específica para atender aos objetivos e necessidades dos investidores. Nossas carteiras incluem:

  • Carteiras de ações: focadas em empresas com alto potencial de crescimento e retorno.
  • Carteiras de dividendos: buscam empresas que pagam dividendos consistentes e renda passiva. 
  • Carteiras de FIIs: exposição ao mercado imobiliário e recebimento de generosos dividendos. 
  • Carteiras de Renda Fixa: produtos financeiros retornos estáveis e com menor volatilidade. 
  • Carteira de BDRs: permitem o investimento em empresas estrangeiras,
  • Entre outras. 

Além das carteiras recomendadas, nossos relatórios oferecem análises macroeconômicas abrangentes, abordando a conjuntura econômica, câmbio, juros e inflação

Nossos Analistas se baseiam em dados atualizados, pesquisas detalhadas e sua expertise para avaliar o cenário econômico e identificar oportunidades de investimento. 

Se você está procurando orientação confiável e um ponto de partida sólido para construir seu portfólio, recomendamos que você baixe nossos relatórios com as análises macroeconômicas e as carteiras recomendadas. Nossos especialistas estão prontos para ajudá-lo a alcançar seus sonhos.

Clique abaixo para baixar as recomendações de carteiras e começar a construir seu portfólio de investimentos com bases sólidas:

Nova call to action