Toro

Cálculo Imposto de Renda 2019: tabela e como calcular

calculo imposto de renda 2019
Capítulo 1

Cálculo do Imposto de Renda 2019

Antes de falarmos sobre o cálculo, é importante deixar claro a diferença entre o Imposto de Renda 2019 e o Imposto de Renda retido na fonte.

O Imposto de Renda é o tributo pago por contribuintes de acordo com a renda de cada pessoa.

Essa tarifa deve ser paga por todos os contribuintes que se enquadram dentro das regras de obrigatoriedade da Receita Federal e deve ser controlada por meio da declaração do Imposto de Renda, realizada uma vez por ano.

Por outro lado, quando falamos em Imposto de Renda retido na fonte, estamos falando sobre o percentual do Imposto de Renda que é recolhido automaticamente no momento do recebimento de um rendimento tributável.

O principal caso de Imposto de Renda retido na fonte é o salário do trabalhador. Os funcionários que possuem carteira assinada, e estão dentro do quadro dos contribuintes obrigados a pagar o imposto, mensalmente recebem seus rendimentos já com o desconto do IR.

Ficou claro a diferença entre esses dois termos? Agora que você já sabe, é importante saber que o cálculo possível de ser feito é do Imposto de Renda retido na fonte.

Cálculo do Imposto de Renda retido na fonte

Para calcular o Imposto de Renda retido na fonte você vai precisar ter em mãos os seguintes dados:

  • Valor do salário bruto.
  • Valor da dedução por despesas.
  • Valor da dedução por dependentes.
  • INSS multiplicado pela Alíquota.

Assim que você conseguir esses valores, basta aplicar na seguinte fórmula:

Imposto de Renda retido na fonte =
[(Salário bruto - dependentes - INSS) X alíquota] - dedução

Cálculo do Imposto de Renda

Se você quer saber qual o valor do seu Imposto de Renda em 2019, a saída é realizar a declaração da renda e apresentar todas as informações. Isso acontece porque, na maioria das vezes, o imposto é calculado de acordo com os rendimentos totais e as despesas que podem ser deduzidas deste imposto. Como cada pessoa possui esses dados diferentes é preciso fazer a declaração para saber o valor do tributo.

Além do desconto do INSS sinalizado na tabela do Imposto de Renda que apresentamos, há outras deduções que ajudam a reduzir a quantia a ser paga do tributo.

Gastos com educação, saúde e pensão alimentícia, são exemplos que fatores que influenciam o cálculo e tornam quase impossível estabelecer um padrão para todos os contribuintes.

Para te ajudar a entender quanto vai pagar ou receber de imposto, o próprio Receitanet (ferramenta da Receita Federal para enviar a declaração) mostra um cálculo a partir dos dados que você insere.

Essa vantagem é uma mão na roda, pois te permite começar a planejar o que fazer caso receba a restituição desde já. Você pode investir em boas oportunidades do mercado para te ajudar a alcançar objetivos que sempre quis: fazer um curso, comprar a casa própria, viajar nas férias e tantas outras possibilidades.

Veja um plano personalizado para os seus objetivos.

Teste grátis
Capítulo 2

Tabela de Cálculo do Imposto de Renda 2019

Se você pesquisar sobre como fazer o cálculo do Imposto de Renda, vai encontrar algumas informações confusas e desorganizadas sobre este imposto. Essa confusão acontece porque muita gente confunde o cálculo do Imposto de Renda com o cálculo do Imposto de Renda retido direto na fonte, principalmente dos trabalhadores.

É fundamental que você entenda o processo, para realizar a declaração do Imposto de Renda 2019 sem erros e compreender os valores que você paga mensalmente.

A Receita Federal utiliza a tabela do Imposto de Renda para basear as porcentagens de desconto e o valor que deve ser deduzido na hora de calcular o valor do tributo. A tabela apresenta dois dados importantes, utilizados para deixar mais claro qual o valor que você paga de imposto.

  • Alíquota: a porcentagem do desconto que é utilizada como base para a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte. Este dado é muito importante, sobretudo, para trabalhadores que podem ver esse desconto em seus contracheques.

  • Dedução do IR: valor que deve ser utilizado na hora de apresentar os rendimentos passíveis de dedução.

A tabela do Imposto de Renda utiliza uma forma progressiva. Dessa forma, quanto maior for o rendimento do contribuinte, maior será a alíquota e o valor a ser utilizado na hora da dedução do imposto.

Tabela da alíquota usada no Cálculo do Imposto de Renda - 2019

Base de cálculo Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF
Até R$1.903,98 isento R$000,00
De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5% R$142,80
De R$2.826,66 até R$3.751,05 15% R$354,80
De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5% R$636,13
Acima de R$4.664,68 27,5% R$869,36


Saber qual o percentual a ser descontado dos seus ganhos é importante para que você possa fazer planos para o futuro, mesmo para quem tem isenção do Imposto de Renda. Afinal, já sabendo quanto você vai receber todo mês pelo seu trabalho, e quanto pode deduzir dos seus gastos na declaração anual, fica mais fácil estabelecer metas em busca de um futuro mais tranquilo financeiramente.

Crie seu futuro: aprenda a investir melhor.

Curso grátis
Capítulo 3

Quando começa o Imposto de Renda 2019

Agora que você já sabe como fazer o cálculo do Imposto de Renda e sabe um pouco mais sobre o imposto retido direto na fonte, precisamos falar sobre algo muito importante: o prazo para declaração do imposto.

No dia 25 de fevereiro de 2019, a Receita Federal liberou o link para download do programa e do aplicativo que devem ser utilizados na hora de realizar a declaração do Imposto de Renda. Você já pode baixar em seu computador ou diretamente no seu smartphone.

Em 2019, o prazo para você realizar a declaração do Imposto de Renda tem início no dia 07 de março e vai
até o último instante do dia 30 de abril.

É importante você ter bastante atenção com este prazo e se programar para fazer a declaração por dois motivos:

Evitar problemas com o sistema ou aplicativo: provavelmente o último dia para realização da declaração será marcado por uma correria e a movimentação de muitos contribuintes que sempre deixam para fazer na última hora.

Considerando que o sistema pode não aguentar a superlotação, sua internet pode não funcionar ou você pode esquecer um documento, nunca é bom deixar para fazer isso no último dia. Afinal, é sempre bom ter tempo para corrigir dados e evitar o envio de informações erradas.

Prioridade para recebimento da restituição do Imposto de Renda: após a declaração do imposto, se a Receita constatar que você pagou mais imposto do que deveria, acontece a restituição do valor, ou seja, você recebe de volta o que pagou a mais.

Essa restituição acontece em lotes em várias datas que começam em junho e vão até dezembro. Além de priorizar idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais, a Receita estabelece a ordem de recebimento com base no envio da declaração.

Quanto antes você mandar a declaração sem erros e inconsistências, mais cedo poderá receber sua restituição.

Veja o cronograma da restituição do Imposto de Renda em 2019 divulgado no Diário Oficial da União:

  • 1º lote: 16 de junho.
  • 2º lote: 17 de julho.
  • 3º lote: 15 de agosto.
  • 4º lote: 15 de setembro.
  • 5º lote: 16 de outubro.
  • 6º lote: 16 de novembro.
  • 7º lote: 15 de dezembro.

Saiba onde investir sua restituição do Imposto de Renda.

Simule e compare
Capítulo 4

O que acontece com quem atrasa a declaração do Imposto de Renda

Muita gente não sabe o que acontece com quem atrasa o envio da declaração do imposto ou mesmo o que acontece quando o contribuinte não faz a declaração e consequentemente paga o tributo.

A principal consequência para quem deixar de fazer ou perde o prazo é a necessidade de realizar depois, porém pagando multa. A multa começa com 1% do valor do imposto por mês de atraso, tendo valor mínimo de R$165,74 e máximo de 20% do valor do imposto devido.

Imposto de Renda descomplicado: saiba como fugir da malha fina.

Baixe guia gratuito
Capítulo 5

Como fazer a declaração do Imposto de Renda

Se você ainda não sabe como declarar o Imposto de Renda, preparamos alguns passos das primeiras ações simples que você deve executar.

1º passo: junte os documentos que você vai precisar

A declaração do Imposto de Renda tem como objetivo fornecer informações para o governo sobre seus gastos e sobre os impostos que você pagou ao longo de ano. Dessa forma, você vai precisar dos documentos e dos registros que servem para comprovar seus ganhos e despesas.

Portanto, você deve providenciar seus documentos pessoais como CPF e título de eleitor, os comprovantes de seus rendimentos financeiros, seja salarial, bancário ou/e de aplicações financeiras, os registros que comprovam a posse dos seus bens como imóveis, automóveis e obras de arte.

Também é importante guardar os registros das despesas que podem ser deduzidas no Imposto de Renda, como gastos com saúde e educação.

2° passo: utilize o programa da Receita Federal para informar seus dados

A declaração do Imposto de Renda deve ser realizada completamente por meio do programa ou do aplicativo disponibilizado no site da Receita Federal.

Após instalar o programa ou aplicativo em seu dispositivo, seja computador ou smartphone, você precisa selecionar a opção de criar uma nova declaração para começar o preenchimento dos dados.

Os primeiros campos que devem ser preenchidos são referentes aos seus dados pessoais. O programa da Receita apresenta um menu que deve ser preenchido de acordo com a ordem estabelecida. Portanto, você informa primeiro seus rendimentos, depois seus gastos e no final recebe a informação com a guia para pagamento do imposto.

3° passo: envie a sua declaração

Após o preenchimento de todos os campos, é interessante que você faça uma conferência para ter certeza que tudo está correto. Depois disso, o último passo é enviar a sua declaração para a Receita Federal.

Neste momento você receberá dois arquivos muito importantes:

  • Documento de comprovação do envio: documento gerado no momento do envio da sua declaração que serve para comprovar que você realizou a declaração.

  • DARF: se após o preenchimento de todos os dados, for comprovado que você deve pagar algo para a Receita, será emitido o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), com o valor e as condições para você realizar o pagamento.

4º passo: corrija possíveis erros

O sistema da Receita Federal permite que você selecione a declaração enviada com erros, informe o número do documento de comprovação, altere os dados e envie novamente a declaração, agora com as alterações. Vale lembrar que este processo só pode ser realizado dentro do prazo de envio.

Depois de enviar sua declaração, basta pagar o imposto devido emitindo um DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) ou, se você deve ter de volta parte do que pagou durante o ano, cabe apenas aguardar o pagamento da sua restituição.

Enquanto este momento não chega, você pode começar a planejar o que fazer com o valor. Uma ótima ideia é investir pensando no seu futuro e no de quem você mais ama. Aproveitando as melhores oportunidades do mercado, você tem a chance de ver esse dinheiro virando algo realmente importante.

Conheça as melhores oportunidades da Bolsa agora.

Explore o mercado