Toro

Tabela Imposto de Renda 2019 - Alíquota e cálculo IRPF

tabela imposto de renda 2019
Capítulo 1

Tabela do Imposto de Renda 2019

A tabela do Imposto de Renda é tão importante e deve ser analisada por quem vai realizar este processo este ano.

Confira a tabela alíquota do Imposto de Renda 2019:

Base de cálculo Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF
Até R$1.903,98 isento R$000,00
De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5% R$142,80
De R$2.826,66 até R$3.751,05 15% R$354,80
De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5% R$636,13
Acima de R$4.664,68 27,5% R$869,36

A Receita Federal usa os mesmos dados desde 2015. Assim, se você já sabe como declarar Imposto de Renda, provavelmente, já tem costume de lidar com as alíquotas e com a variação da porcentagem.

A alíquota presente na tabela do Imposto de Renda tem variação relacionada com a renda mensal do contribuinte.

Isso indica que, quanto maior for o salário de um profissional, maior será a porcentagem da alíquota aplicada sobre os seus rendimentos.

A tabela do Imposto de Renda deve ser algo presente na rotina dos profissionais responsáveis pelo departamento pessoal das empresas. Essas informações devem ser utilizadas para o cálculo do valor do imposto que deve ser repassado para os cofres públicos.

Esse repasse acontece porque as fontes empregadores têm a responsabilidade de fazer o cálculo do Imposto de Renda de seus funcionários e reter parte dos seus salários tendo como base a progressividade da tabela do Imposto de Renda.

É importante que você também acompanhe mês a mês os valores que são descontados do seu salário. Dessa forma, você consegue organizar melhor suas finanças e pode criar planos para o futuro investindo em boas oportunidades do mercado.

Veja um plano personalizado para os seus objetivos.

Teste grátis
Capítulo 2

Como calcular o Imposto de Renda 2019

Agora que você já sabe que a tabela do Imposto de Renda possui os dados que servem de base para estabelecer o valor da taxa, é preciso saber como aplicar essa porcentagem, não é mesmo?

Entender esse cálculo é importante principalmente para trabalhadores. Sabe aquele desconto que aparece no contracheque e que muitas vezes você não sabe qual a lógica dele? Entendendo a tabela do Imposto de Renda e sabendo como fazer cálculo, você consegue ter mais noção sobre esse imposto retido na fonte.

Para calcular o Imposto de Renda você vai precisar ter em mãos os seguintes dados:

  • Valor do salário bruto.
  • Valor da dedução por despesas.
  • Valor da dedução por dependentes.
  • INSS multiplicado pela Alíquota.

Assim, que você conseguir esses valores, basta aplicar na seguinte fórmula:

Imposto de Renda retido na fonte =
[(Salário bruto - dependentes - INSS) X alíquota] - dedução

Como falamos sobre os dependentes, é bom lembrar que se você possui dependentes declarados no seu Imposto de Renda, você tem direito à dedução do imposto de R$2.275,08 por cada dependente.

Imposto de Renda descomplicado: saiba como fugir da malha fina.

Baixe guia gratuito
Capítulo 3

Prazo para declaração do IRPF 2019

Além da tabela do Imposto de Renda com as alíquotas das tarifas, uma informação muito importante que você precisa saber é o prazo para declaração do IRPF em 2019.

Em 2019, o prazo para você realizar a declaração do Imposto de Renda começa no dia 07 de março e acaba às 23 horas, 59 minutos e 59 segundos do dia 30 de abril. O horário tem como base o fuso horário da cidade de Brasília.

A Receita Federal incentiva os contribuintes a não deixarem para realizar a declaração no último dia, sobretudo nos últimos minutos.

Um documento que você esquece de declarar ou a superlotação do sistema, podem prejudicar o seu processo e fazer com que você perca o prazo limite.

Para fecharmos o assunto prazo para declaração do Imposto de Renda, podemos dizer que é melhor se preparar para realizar tudo dentro do limite de tempo do que perder a data. Os contribuintes que perderem a data limite para a declaração do Imposto de Renda podem sofrer cair na malha fina e ter problemas com o CFP.

O principal efeito é o pagamento e multa de até 1% do valor do imposto para cada mês de atraso. Nesse caso o valor mínimo das multas é R$165,74 e o valor máximo corresponde a 20% do valor do imposto.

Além disso, os contribuintes que enviarem a declaração no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências no processo, terão prioridade na hora de receber a restituição do Imposto de Renda.

Isso quer dizer que caso você tenha direito a receber alguma quantia por ter pago mais impostos do que o devido, receberá de acordo com a ordem em que realizar a declaração. Essa regra só não é excludente à lei que proporciona prioridade a idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais.

Vale lembrar que você só recebe essa restituição caso sua declaração não contenha nenhum erro ou nenhuma irregularidade.

Veja o cronograma da restituição do Imposto de Renda em 2019 divulgado no Diário Oficial da União:

  • 1º lote: 16 de junho.
  • 2º lote: 17 de julho.
  • 3º lote: 15 de agosto.
  • 4º lote: 15 de setembro.
  • 5º lote: 16 de outubro.
  • 6º lote: 16 de novembro.
  • 7º lote: 15 de dezembro.

Se esse ano você espera receber parte dos impostos pagos de volta, é importante começar a pensar desde já o que fazer com esse dinheiro. Uma excelente ideia é aplicar a quantia em investimentos que oferecem rentabilidade e segurança, construindo um caminho sólido rumo ao sucesso.

Saiba onde investir sua restituição do Imposto de Renda.

Simule e compare
Capítulo 4

O que declarar no Imposto de Renda

Segundo a Receita Federal, o contribuinte deve declarar todos os seus rendimentos e fontes de enriquecimento financeiro. Esses rendimentos podem ser obtidos por meio de atividade profissional, como salário, serviço autônomo, sociedade em empresas e outras fontes.

Além disso, você deve declarar também seus ganhos de capital, que são resultados de suas aplicações financeiras e lucros com vendas de bens, como imóveis, automóveis, bens e ações na Bolsa de Valores, por exemplo.

O contribuinte que possui bens móveis, como jóias, veículos ou obras de arte, acima de R$5 mil também deve declarar e apresentar o comprovante de posse.

Inclusive, esses bens devem aparecer na sua declaração do Imposto de Renda mesmo quando você receber por meio de herança ou doação.

Quanto maior o número de informações que você deixar registrado, maior será a eficiência da sua declaração e menor serão as chances de você cair na malha fina. Por isso, é importante você ter atenção aos rendimentos que não são tributáveis, como alguns tipos de investimentos.

Para você conseguir declarar esses rendimentos você deve apresentar os documentos conhecidos como informe de rendimento. Esses documentos são passados para você vindos de 3 fontes diferentes:

  • Partindo da fonte empregadora: o informe de rendimento do empregador é o documento que serve para comprovar e apresentar qual foi o rendimento do trabalhador ao longo do ano. Cabe à fonte empregadora a responsabilidade de fornecer ao empregado esse comprovante até o dia 28 de fevereiro.

  • Partindo do banco que você possui uma conta: este informe de rendimento tem como principal objetivo demonstrar e apresentar para a Receita quais foram as suas movimentações bancárias ao longo do ano.

  • Partindo da corretora de valores: os seus investimentos e os ganhos que você alcançou em suas aplicações são apresentadas neste informe. A corretora de valores é obrigada a mandar esse comprovante para você saber exatamente o que declarar e qual foi a tributação exata.

Como já falamos, se organizar durante o ano pode facilitar bastante o processo da declração de IR. Além de checar a tabela de Imposto de Renda, é importante que você guarde todos os comprovantes, caso seja necessário esclarecer algum dado junto à Receita Federal.

Além disso, esse controle financeiro pessoal é o primeiro passo para você ficar mais perto de conquistar seus maiores sonhos e criar um futuro promissor.

Aprenda a criar o seu futuro com investimentos.
Veja o curso grátis

Capítulo 5

Dedução Imposto de Renda: o que pode ser abatido

Além dos rendimentos que devem ser declarados, há espaços também para suas despesas e gastos que podem ser descontados do valor do imposto. A dedução do Imposto de Renda é uma forma do contribuinte conseguir desconto do valor, pois a Receita considera que parte dos impostos já foram pagos.

Para que uma despesa seja considerada apta a receber a dedução do imposto ela deve apresentar um comprovante. Este comprovante deve conter seus dados pessoais, nome e CPF e os dados pessoais dos responsáveis por fornecer o serviço, seja pessoa física ou jurídica.

Veja quais despesas são passíveis de dedução do Imposto de Renda:

Você pode aproveitar os descontos para usar o dinheiro economizado investindo no seu futuro. Aproveitar as melhores oportunidades do mercado é um ótima saída para quem deseja ir mais longe.

Compare todos os investimentos e escolha o melhor.

Simule e compare
Capítulo 6

Quem deve declarar o Imposto de Renda

Apesar de ser um dos principais direitos dos contribuintes brasileiros, nem todos precisam declarar o Imposto de Renda, muito menos pagar esse imposto.

As regras que determinam essa obrigatoriedade são definidos pela Receita Federal, portanto se você se enquadra em algum dos seguintes parâmetros, deve declarar o Imposto de Renda.

Critérios para definir quem deve declarar o Imposto de Renda 2019:

  • Contribuintes que tiveram rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70 durante o ano passado.
  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos acima de R$40.000,00 durante o ano. Rendimentos isentos são aqueles que não geram lucro, nem valor líquido de receita.
  • Cidadãos que obtiveram, em qualquer mês do ano passado, ganho de capital na venda de bens ou realizou operações de qualquer tipo na Bolsa de Valores.
  • Escolheu a isenção de imposto na venda de um imóvel residencial para a compra de um outro imóvel em até 180 dias.
  • Quem obteve receita bruta anual acima de R$142.798,50 em atividades rurais.
  • Quem pretende compensar, prejuízos relativos à atividade rural realizada em anos anteriores.
  • Aqueles que até 31/12/2018 tinham posses somando mais de R$300 mil.
  • Todas as pessoas que passaram a ser residentes no Brasil em qualquer mês do ano passado.

Imposto de Renda descomplicado: saiba como fugir da malha fina.

Baixe guia gratuito
Capítulo 7

Quem não precisa declarar o Imposto de Renda

Diferentemente do que muita gente pensa, não existem apenas os parâmetros para a obrigatoriedade do pagamento do Imposto de Renda. A Receita Federal também determina alguns casos em que o contribuinte não precisa declarar o imposto.

Pessoas com rendimento mensal inferior ao valor mínimo para declarar IR: seguindo a lógica básica, se você ganha menos que R$1.903,98 por mês, não precisa declarar o Imposto de Renda.

Contribuintes com mais de 65 que são aposentados e que vivem apenas com a aposentadoria: nesse caso, o aposentado é isento do Imposto de Renda e não precisa ter o imposto retido direto da sua aposentadoria.

Pessoa declarada como dependente: se a sua situação é de dependente em alguma outra declaração, você também está isento do Imposto de Renda. Porém, nesse caso ainda é preciso fazer a declaração da sua renda, para que o governo consiga cruzar os dados e analisar a renda da pessoa que você depende.

Isenção do Imposto de Renda devido à enfermidade: os contribuintes que possuem alguma das enfermidades listadas podem solicitar a isenção do Imposto de Renda apresentando o laudo médico comprobatório. As doenças consideradas são:

Como escrever o seu futuro? Descubra as 3 leis universais.
Curso grátis