Pular para o Conteúdo

PIB do Brasil: entenda o que é Produto Interno Bruto

Capítulo 1

O que é o PIB e para o que ele serve?

Todos os dias, programas de televisão, jornais, rádios e sites noticiam diversos assuntos sobre a economia brasileira e mundial. Porém, poucas pessoas se interessam de fato pelo tema. Você já parou para pensar qual é o seu papel no desenvolvimento da economia do nosso país?

Pode parecer exagero, mas grande parte do que você consome é levada em consideração para realizar o cálculo de um dos mais importantes indicadores econômicos: o Produto Interno Bruto (PIB).

Se você quer saber o que é PIB, entender sobre como é feito o seu cálculo e descobrir quais são os atuais valores desse indicador, está no lugar certo.

Em bom e claro português, o Produto Interno Bruto é uma forma de mensurar a atividade econômica de uma determinada região (nacional, estadual ou municipal), através de cálculos que levam em consideração a oferta e a demanda de bens e serviços.

Originalmente, o conceito de PIB foi desenvolvido pelo economista russo naturalizado americano Simon Kuznets, na década de 1930. Sua contribuição para o entendimento da economia mundial, inovando com a utilização da demografia e dados estatísticos para compreender os impactos do crescimento populacional sobre a produtividade, acabou rendendo um Prêmio Nobel para o estudioso no ano de 1971.

Entretanto, efetivamente, o primeiro cálculo de um PIB nacional foi desenvolvido e publicado apenas em 1953 pelas Nações Unidas. O resultado foi concluído baseado em um documento produzido pelo economista Richard Stone, que também venceu o Nobel de economia graças a essa contribuição. 

Inclusive, o resultado do PIB é utilizado como uma das variáveis importantes para a realização do cálculo do salário mínimo brasileiro.

O desenvolvimento desse indicador econômico foi resultado de uma longa e extensiva pesquisa para encontrar formas de avaliar o tamanho e a renda de um país. A fórmula de cálculo que vamos explicar a seguir leva em consideração desde um simples pão de sal até produções complexas, como a fabricação de aviões.

Nova call to action
Capítulo 2

Como o PIB é calculado?

O Produto Interno Bruto de uma determinada região é calculado de acordo com a produção total de bens e serviços daquele local. Para facilitar a compreensão, vamos usar o Brasil como exemplo.

O PIB brasileiro é o resultado da soma de toda a produção nacional. Portanto, em uma fábrica de automóveis, são somados todos os itens utilizados na produção de um veículo: pneus, vidros, motor, salário dos funcionários, energia consumida e por aí vai.

Entretanto, o valor que o carro produzido por essa fábrica recebe no PIB é calculado da seguinte forma: é subtraído o custo de produção do veículo (peças, energia etc.) pelo preço da venda para a concessionária.

Hipoteticamente, então, se a fabricação do carro custou R$10.000 e ele foi repassado às lojas por R$16.000, o valor do carro no PIB será de R$6.000.

O cálculo é feito da mesma forma para as peças utilizadas durante a fabricação desse mesmo carro. Um pneu, por exemplo, tem como custo de produção a borracha, energia, salário dos funcionários da fábrica de pneus e outros gastos.

Essa subtração (preço de venda – custo de produção) foi a solução encontrada pelos economistas para que os itens de produção não fossem contados duas vezes no cálculo.

Se um pneu pronto já foi incluído na conta da fábrica de pneus, logicamente ele não poderia ser incluído novamente no cálculo da produção do carro, concorda? Caso isso acontecesse, o Produto Interno Bruto seria “artificialmente” maior e não representaria realmente a atual realidade do país.

A complexidade de como os bens e serviços entram na conta do Produto Interno Bruto é compensada pela “simplicidade” do cálculo do indicador econômico:
PIB = CF + IP + GG + BC.

Nessa fórmula, CF representa o consumo familiar, IP o investimento privado (gastos das empresas), GG o gasto governamental e BC a balança comercial (valor das exportações menos o valor das importações).

Pode parecer simples à primeira vista, mas o cálculo do Produto Interno Bruto é bem complexo e envolve vários dados estatísticos sobre companhias, pessoas físicas, investimentos públicos, privados, importações e exportações.

No nosso país, o cálculo do PIB é de responsabilidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1990. Antes disso, a apuração era realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Vale lembrar que no Brasil diversos dados utilizados para a apuração do cálculo são sigilosos.

Várias empresas não divulgam os resultados publicamente, mas os fornecem para o IBGE, que por sua vez garante a proteção total dessas informações.

Dessa forma, outros analistas de fora do instituto não conseguem determinar qual será o valor exato do PIB, apenas conseguem fazer estimativas com base nas atuais circunstâncias econômicas do país.

Capítulo 3

O que é PIB per capita?

Se o Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens de uma nação, é normal concluirmos que, quanto mais alto for o valor desse indicador, mais o país ou região em questão é desenvolvido. Inclusive, é com base nessas informações que os países são ranqueados entre pobres, ricos ou em desenvolvimento.

O PIB per capita, por sua vez, é basicamente o valor do Produto Interno Bruto dividido pelo número de habitantes de um país.

Como esse indicador utiliza como base o PIB, muitas pessoas podem pensar que quanto maior for esse valor, melhor a população do país em questão vive.

Entretanto, precisamos compreender que o Produto Interno Bruto não determina, necessariamente, a riqueza total de uma nação, e sim o seu crescimento econômico ao longo do tempo.

Em outras palavras, é perfeitamente possível que o PIB aumente enquanto os cidadãos do país — ainda que uma pequena parcela — fique mais pobre.

O cálculo do Produto Interno Bruto não leva em consideração os níveis de desigualdade de renda e social e, por isso, nem todos os economistas concordam com a eficácia do conceito do PIB per capita para determinar a distribuição de riqueza de um país.

Portanto, podemos dizer que uma nação pode ter um PIB elevado e ter habitantes em níveis extremos de pobreza, como é o caso do próprio Brasil. Da mesma forma, podemos ter uma nação onde o Produto Interno Bruto não atinge patamares expressivos, mas seus habitantes têm um padrão de vida mais elevado do que um país que tenha uma renda per capita maior.

A conclusão que podemos tirar disso é a seguinte: o PIB per capita não deve ser utilizado como indicador de qualidade de vida e de distribuição de renda, mas sim como um indicador econômico para fins comparativos entre nações.

Aprenda a investir com experts da Toro
Capítulo 4

Qual é o PIB do Brasil e das maiores economias do mundo?

PIB DO BRASIL HOJE

O PIB do Brasil em 2021 foi de R$ 8,7 trilhões.
Já o PIB per capta somou R$ 40.688,21.

Evolução do PIB ano a ano:
  • 2021: +4,6%
  • 2020: -3,9%
  • 2019:  +1,2%

  • 2018: +1,8%

  • 2017: +1,3%

Assim como o Produto Interno Bruto nacional reflete o desenvolvimento econômico de um país, o PIB dos estados brasileiros representa o crescimento das economias regionais das Unidades Federativas.

Abaixo, você confere a lista dos PIBs de todos os estados do nosso país em ordem decrescente, com dados do IBGE:

Estado PIB em 2019 (em milhões R$)
São Paulo 2.348.338
Rio de Janeiro 779.928
Minas Gerais 651.873
Rio Grande do Sul 482.464
Paraná 466.377
Santa Catarina 323.264
Bahia 293.241
Distrito Federal 273.614
Goiás 208.672
Pernambuco 197.853
Pará 178.377
Ceará 163.575
Mato Grosso 142.122
Espírito Santo 137.346
Amazonas 108.181
Mato Grosso do Sul 106.943
Maranhão 97.340
Rio Grande do Norte 71.337
Paraíba 67.986
Alagoas 58.964
Piauí 52.781
Rondônia 47.091
Sergipe 44.689
Tocantins 39.356
Amapá 17.497
Acre 15.630
Roraima 14.292

Fonte: IBGE

Ao analisar cada estado individualmente, fica visível a forte diferença do desenvolvimento econômico entre as diversas regiões do país. Percebe-se que boa parte da produção é concentrada no Sul e Sudeste. 

Além disso, a lista ainda deixa claro um desempenho bastante tímido dos países da região Norte, principalmente os estados de Tocantins, Amapá, Acre e Roraima.

Esses estados produzem menos, pois grande parte de seus territórios é coberta pela floresta Amazônica e a instalação de indústrias e áreas de produção traria um processo de degradação ambiental significativo.

Por outro lado, o estado do Amazonas, graças às atividades da Zona Franca de Manaus, mantém uma colocação razoável se comparada aos outros estados da sua região.

A boa notícia é que a desigualdade retratada pelo ranking do PIB dos estados brasileiros vem caindo ao longo das últimas décadas. Entretanto, a diminuição acontece relativamente devagar e isso demonstra o quão lento e gradual é o processo para reestruturar a ordem da produção no país.

Ranking das maiores economias do mundo

Com o resultado de 2021, o Brasil caiu para 13º no ranking das maiores economias do mundo que, agora segue dessa forma:

Posição em 2021 País
Estados Unidos
China
Japão
Alemanha
Reino Unido
Índia
França
Itália
Canadá
10º Coreia
11º Rússia
12º Austrália
13º Brasil
14º Espanha
15º México

 

Nova call to action